loading...

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Morre motociclista envolvido em acidente grave na José Bastos em Itabuna

Gabriel Silva morreu na manhã desta segunda-feira (30) no hospital. Ele estava internado desde o dia 24 após sofrer um acidente com a moto em que pilotava. A moto colidiu com um carro no no cruzamento das ruas Adolfo Maron e Vicente de Paulo, na Praça José Bastos, em Itabuna. Segundo informações de testemunhas, o motociclista teria invadido o sinal vermelho.
Gabriel havia sofrido traumatismo craniano e teve parte dos dedos de uma mão decepados no acidente. O corpo dele bater contra o para-brisa e foi lançado para o teto do carro. 


Homem armado é flagrado no bairro Santo Antonio


Três homens foram conduzidos da rua do Rotary, bairro Santo Antonio, para o Complexo Policial de Itabuna. 
Como Rodrigo Silva Barreto assumiu ser o dono das drogas e munições encontradas dentro do veículo Uno azul JRJ-4646, os outros dois foram liberados. Rodrigo vai responder por porte ilegal e tráfico de drogas.


Atualmente blindar o carro não é apenas um investimento de altíssimo custo, feito por autoridades políticas e personalidades culturais. 
Com o aumento crescente da violência nos grandes centros urbanos do país, o serviço de blindagem não está sendo solicitado apenas por pessoas da classe alta, e que temem ações criminosas por conta da grande exposição na mídia. 

Na Bahia, este serviço já se tornou realidade para uma parcela considerável da população que tem carro particular. Os altos índices da violência urbana, associado com a maior facilidade para o pagamento, contribuiu para que a unidade da federação seja atualmente o sexto estado com maior número de carros blindados no Brasil. 
Em Salvador, a procura tem crescido constantemente. “Há cinco anos, quando começamos a trabalhar com este serviço, nossa média era de 4 a 5 veículos blindados por mês. Atualmente esta média dobrou e hoje blindamos de 10 a 12 carros no mesmo espaço de tempo”, explicou o diretor comercial da SBI Blindagens, João Ricardo Araújo. Com informações do Tribuna da Bahia.

Os profissionais do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), técnicos e enfermeiros, decidiram paralisar as atividades na capital baiana. A partir de terça-feira (1º), a categoria entrará em greve por tempo indeterminado. 
A decisão foi tomada em assembleia realizada no 5º Centro de Saúde, na avenida Centenário. Profissionais das UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e de emergências móveis e fixas também aderiram ao movimento paredista. Segundo informações do diretor do Sindseps (Sindicato dos Servidores da Prefeitura do Salvador), Everaldo Braga, a greve foi motivada por diversas questões, como a falta de ambulâncias e condições mínimas de trabalho para os socorristas. 
Além disso, a categoria se queixa das gratificações financeiras, que seriam ofertadas apenas aos médicos que integram as equipes. A direção do sindicato informou que repudia o tratamento discriminatório. Como admitir que integrantes de uma mesma equipe sejam tratados de maneira diferenciada, quando todos são fundamentais para o êxito do trabalho? Ainda de acordo com Braga, mesmo com a greve, o efetivo de 30% de trabalhadores estarão em atividade, conforme determinação da lei. 
Tentamos garantir um canal de negociações com a gestão municipal. Isso nos tem sido negado. Ouvimos palavras de menosprezo pela função do profissional de Enfermagem e outros absurdos que mostram o desrespeito por estes trabalhadores. O trabalho dedicado desses servidores tem que ser valorizado. Parece até que os gestores se lembram do Samu apenas para compor as peças publicitárias da administração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário